Skip to content

Homem na cozinha: frango Fraviana Renata! E arroz de bloco verde-amarelo-vermelho.

Quinta-feira, 30 - Abril, 2009

Pô… cês devem me achar muito estranho mesmo. Falo de tudo e sem conexão nenhuma. E, na maioria das vezes, sem nexo nenhum. Mas, tudo bem. É a vida.

Venho aqui hoje, depois de um longo tempo fora, para falar sobre culinária. Aposto que a grande maioria dos homens que lêem esse post vão à cozinha como meros consumidores e nunca criadores… vocês não tem a idéia do quanto é bom cozinhar.

Fim de semana passado fui a Brasília visitar minha namorada no seu imenso palacete e no sábado nos deparamos com a seguinte dúvida: o que almoçar? Para isso, seguindo a dica do eterno Chico Science fomos tomar uma cerveja antes do almoço, porque é muito bom para ficar pensando melhor. Pensamos e, num momento Larica Total (mas totalmente sem drogas), vi uma receita de Claude Troisgros (se diz ‘clôde trogoá’ – eu acho) no livro “Receitas Originais do Chef Claude Troisgros” que se chamava Bouef Bourguiginon com cachaça. Receita muito legal, além de que, no livro, ela fica muito mais fácil de fazer pois parece ser descontraída de executar; entretanto, ela é muito complicada.

Daí, tomando em mim o espírito da cozinha guerreira, resolvi mesclar. A receita do Troisgros tem como diferencial o uso da cachaça (na receita, ele usa um marc , que é uma bebida fabricada a partir de um subproduto do processo de elaboração da grappa – destilado italiano obtido da uva, com alto teor alcoólico) da Borgonha, na França. Vejam a complexidade da receita. Assim, pensei em improvisar, mas levando um pouco do refino de Troisgros.

Então, nasceu o Frango Fraviana Renata, em homenagem a minha namorada. Essa era o apelido dela dentre as amigas. Mas… vamos a história que é mais importante.

Ao vasculhar a geladeira atrás de um Boeuf Bourguignon (peito de boi ou alcatra, por exemplo), me deparei com um frango. Nunca achei frango uma carne mesmo, sempre a rebaixei como algo entre verdura e uma carne sem graça (mais uma características dos lobos-guarás), e, num momento de altruísmo, rejeitei algumas peças de carne vermelha e assumi a corajosa aventura de tornar um frango gostoso.

Então, pensei: a única coisa legal da receita do Troisgros é a história e o uso da cachaça. Vislumbrei umas saídas bem à Paulo Oliveira e aí está a receita. Vejam – copiarei o estilo do Troisgros de explicar a receita:

Frango Fraviana Renata

– Ingredientes:

  1. Aproximadamente um quilo de peito de frango de qualidade.
  2. 200 gramas de Chimichurri – o tempero que vem nas embalagens, não o molho.
  3. 100 gramas de tempero cheiro-verde e cebola desidratado .
  4. 100 gramas do tempero de alho do primo da Flávia – fico devendo o nome, mas é lá de Franca e é excelente.
  5. 1 colher de chá ou menos de pimenta calabresa.
  6. 4 a 5 doses pequenas de cachaça de qualidade.
  7. azeite.
  8. manteiga.

– Preparo:

É legal demais cozinhar. Ainda mais no improviso. Tem que ter um pouco de coragem e alguém para compartilhar com você a experiência feita, pois é meio triste comer sozinho. Quase nunca dá errado. Por isso, inventei essa receita.

Para começar, limpe os peitos de frango. Não deixe aqueles ‘nervinhos’ brancos e muitos menos cartilagem. Depois de limpos, faça cortes quase longitudinais que criem reentrâncias na carne para o tempero penetrar; lembre de seguir a direção oposta ao corte da carne (para onde os tecidos do músculo estão direcionados). Faça uma mistura entre os temperos de alho, o chimichurri, a pimenta e o cheiro-verde e cebola desidratados. Coloque porções nas reentrâncias criadas, tentando avaliar o tanto de tempero com o tamanho da peça de carne.

Por fim, deixe as carnes temperadas num molho feito com a cachaça (não vá de 51, mané! Eu usei uma que se chama Cubana – que é lá de Salinas e bem saborosa, mas forte) e o azeite. Pode-se misturar um pouco de água quando acabar a mistura para não desperdiçar e deixar as carnes ‘submersas’ no molho. Deixa lá repousando durante uma meia hora, quarenta minutos. Enquanto isso, vá untando a forma e ligando o forno. Sei que vai sobrar tempo, então vá ver o que é chimichurri então! 😀

Eita temperinho legal, viu !! Apesar de argentino, mas é bom. Combina mais com carne vermelha e por isso coloquei no frango; mais para ele se sentir um pouco mais carne, né. Pois, se gente boa é aquele que come carne e bebe cachaça; uma carne boa é aquela carne mesmo (de boi) e embebida na cachaça.

Aí,voltando… coloca o frango na forma (de qualquer formato) não deixando eles muito próximos. O que sobrar do tempero, coloque um pouco na forma, como num mini-banho-maria. Dê uma privilegiada nos temperos ao colocar o molho no forno.

Ó: não tenha medo. Eu sei que você está perguntando: “álcool no forno? Essa coisa vai é EXPLODIR!”. Calma, jovem! Não pega fogo no forno até porque a cachaça tá bem diluída na água e no azeite… então, FICA TRANQUILO, porque eu fiquei meio noiado, mas meu irmão me acalmou. Maaaaas, caso exploda alguma coisa ou pegue fogo, não é culpa minha.

Aí aguarda, deixando num fogo médio caso não esteja com muita fome no momento… quando der uma meia hora, vire as peças de peito para o outro lado dourar. Quando tudo estiver bem dourado e o molho secado, pronto. O frango Fraviana Renata está pronto.

Viu como é simples. E é gostoso. Modéstia bem a parte, eu aceritei horrores. Taí uma foto que não me deixa mentir.

frango do bom

frango do bom

Ficou bom colocar um pouco de alho frito em cima dele para comer, além de uma saladinha. Um vinho tinto seco vai muitíssimo bem. Favor, comer o frango quente. Ele frio fica um pouco duro… caso fique duro, esquente novamente com um pouco de azeite.

Para fechar, rolou um arrozinho (nunca pode faltar) bem legal com brócolis, milho e linguiça palito em rodelas… só para constar, nada de fritar a linguiça, deixa ela cozinhar junto com o arroz, fica um gosto excelente, além de que uma pré-cozida no brócolis vai bem. Lembra de duas coisas: o brócolis tem que ser bem pequenininho e tudo é adicionado ao arroz quando você afoga ele, exceto a linguiça que vai ao fritá-lo. E, na boa, ele mais empapado é bem melhor! 😀

Aí vai uma foto dele.

empelotado é mais gostoso!

empelotado é mais gostoso!

Então, é isso. Espero que esse post faça com que pelo menos vocês vão lá fazer um ovo frito! E fiquem a vontade de postar receitas aqui!

Cozinha guerreira, jovem !!

P.S.: Esse arroz foi feito mais pela minha namorada do que por mim. Além do mais, sem ela nada teria saído tão gostoso assim. Muito obrigado, linda, por me deixar cozinhar para você e pelo fim de semana maravilhoso! Te amo! 😛

P.S.2: Fiz um molho rosè (sem creme de leite e com maionese) foda também no domingo, com curry e pimenta, além de um pouco de alho frito desidratado e salsa e cebola desidratada. Só faltou o Flamengo e o Corínthians perder para ficar mais gostoso. Foi quase!

P.S.3: não é muito prudente gritar “Fooooooooooooooooooooogo! Foooooooooooooooooooogo!” da janela de um apartamento. Podem ter poucos botafoguenses que entendam.

Anúncios
No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: